Arquivo do mês: abril 2009

O Amante

Assisti hoje bem cedinho ao filme chamado O Amante baseado em livro de Marguerite Duras. Ganhei o livro na década de 80 de Joaquim, meu companheiro de trabalho muito querido. Ao final, algumas lágrimas rolaram pela imaturidade da jovem personagem. … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | 2 Comentários

O Leitor

Tenho enorme afinidade com meu sobrinho desde que era bem pequenino. Ontem ele preparou uma seleção cinematográfica e prometeu fazer um novo cartão de visitas  para embelezar-me mais. Assisti no final da tarde o fantástico O Leitor. Perfeita a delicadeza do filme … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Me and You and Everyone We Know

Porque ontem foi sábado e era um belo dia de minha estação predileta – o outono – acordei com sede de vida em meio aos dias de respiração tão curtinha. Fomos à praia pelo Alto da Boa Vista, eu e … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

A burguesia fede – fede, fede, fede

Nada pior do que trabalhar com gente que tem na corrente sanguínea a neura que os fins sempre justificam os meios. Junte-se a isso a visão patrimonialista, o clientelismo, o excesso de personalismo e a competição exagerada e temos o … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Cartas do Everest

Não sei se é a leitura de Airton Ortiz em Cartas do Everest ou aquele sentido extra que dão um sacode nas mulheres, mas sinto-me invadida e vigiada ultimamente. Vamos ver no que vai dar. Voltando à leitura deliciosa que … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Oblivion

Ai ai.. Quando ouço o cd Oblivion de Astor Piazzolla tocar fico literalmente encantada. O disco é perfeito de ponta a rabo, mas há algumas faixas que me deixam completamente indefesa.  Oblivion, Remembrance, Oda para um hippie, Homenaje a Cordoba … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Vicky Cristina Barcelona

Para contrariar minha disposição de ir à praia bem cedinho, o dia nasceu branco. Quando tomava banho, já havia percebido que não havia no céu aquele tom de azul outonal, que mexe com algo além de minha alma. Os passarinhos, … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário